Inema esclarece que não vai multar produtores da Borda do Lago de Sobradinho


O Povoado de Brejo de Fora, no município de Sento Sé, no norte da Bahia recebeu, na última quinta-feira (10), uma audiência pública que discutiu a situação dos produtores rurais da Borda do Lago de Sobradinho, diante da baixa vazão do Lago. 
A audiência, realizada pelos agricultores com o apoio do Consórcio Sustentável do Território do São Francisco (Constesf), contou a participação de representantes da Agência de Defesa Agropecuária da Bahia (Adab); da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa); do Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Inema); do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), do Presidente do Constesf e prefeito de Sobradinho, Luiz Vicente Berti e demais autoridades políticas.
Na ocasião, os presentes levantaram uma discussão com o objetivo de elencar possíveis soluções para os agricultores que foram notificados pelo Inema. Os agricultores foram advertidos a não plantarem na área de vazante do lago, ou seja, a área que fica exposta com a baixa vazão, com o uso de agroquímicos. Diante das notificações, as famílias, que dependem da agricultura, clamam por alternativas para que não deixem de plantar e, consequentemente, percam a sua fonte de renda.
Em sua fala, o presidente do Constesf e Prefeito de Sobradinho, Luiz Vicente Berti, salientou o seu compromisso junto aos agricultores. “O Constesf, junto com todos os órgãos aqui presentes, está buscando uma maneira de desenvolver o território de maneira sustentável, priorizando o diálogo, para que alcancemos um resultado satisfatório para ambas as partes e de maneira que não comprometa a saúde da população”, declarou.
De acordo com o coordenador regional do Inema, Anselmo Vital Matos, os agricultores foram advertidos, mas não serão multados. “O que o Inema fez não foi proibir e nem impor, nós fizemos uma advertência e estamos aqui para encaminhar soluções junto com vocês. O uso de agrotóxicos próximo ao Lago e a construção de cercas é proibido. Quero parabenizar todas as associações que apresentaram propostas, nós precisamos desse momento para aliar forças  e cobrar responsabilidade das instituições, temos que ouvir esse lamento. Não podemos permitir que o ribeirinho passe fome na borda do Rio São Francisco”, frisou.
Propostas
Entre as soluções propostas pelos agricultores estão a instalação de canais de aproximação e um prazo maior para que continuem utilizando a área de vazante para plantio até que encontrem outras soluções que possibilite a subsistência das famílias. “Não temos condições de fazer uma captação de água a 10 ou 15 quilômetros. O que vai acontecer com os agricultores que não podem mais plantar na área de vazante? Não queremos fazer mudança na lei, mas queremos cobrar políticas públicas, pedimos que seja feito um trabalho para que esses agricultores se adequem as regras. O problema não é só econômico, é social”, destacou a representante dos agricultores, Ângela Nunes.
A partir da audiência, uma comissão formada membros do Inema, representações políticas, Constesf e agricultores foi criada para deliberar as próximas ações que auxiliem os agricultores. Um documento final expondo os problemas e a proposições dos produtores será entregue a todas as autoridades competentes. 
Ascom Constesf
Compartilhar no Google Plus

Postado por André Luiz

Entre em contato conosco através do e-mail: sobradinhonoticias@hotmail.com para envio de notícias, sugestões e outros assuntos.