Enfermeira do Hemope fala sobre doação de sangue e medula óssea na Facape


O primeiro semestre de 2016 começou na Faculdade de Ciências Aplicadas e Sociais de Petrolina (Facape) incentivando veteranos e calouros a doarem sangue. Como parte da Semana de Integração, o ‘trote solidário’ levou a enfermeira do Hemope (Fundação de Hematologia e Hemoterapia de Pernambuco), Benvinda Barros, diretamente aos alunos e professores da autarquia. Ela participou da recepção dos calouros e orientou sobre a doação de sangue e de medula óssea, destacando a importância do ato para a sociedade.

Em entrevista, a enfermeira esclareceu alguns pontos sobre a doação:

1 - Quais os critérios para ser um doador?

Primeiro, a gente segue o princípio de que o doador tem que estar bem com o ato, para fazer bem ao outro. A doação de sangue ou de medula óssea é um ato de altruísmo e deve partir de cada um, sem esperar nada em troca.

Podem doar pessoas entre 16 e 69 anos que gozem de boa saúde, com peso acima de 50 quilos. Se o doador for menor de idade, deve ser autorizado pelo responsável. O doador deve estar descansado e bem alimentando no dia. Quem deseja doar sangue não pode ingerir nenhum medicamento nas últimas 12 horas antes da triagem, nem bebida alcoólica no dia.

As pessoas que passaram por procedimentos cirúrgicos, fizeram transfusão de sangue ou fizeram tatuagem devem esperar o período de um ano para doar.

2 - Como é o procedimento?

Primeiro o doador é cadastrado no Hemope, apresentando documento oficial com foto. Em seguida, passa por uma pré-triagem, para checar pressão, temperatura, peso, altura e são realizados testes de sangue. Por último, o médico faz um questionário para saber o histórico médico do doador. É importante que a pessoa seja sincera ao responder as perguntas para evitar transmissão de doenças aos pacientes. Se a pessoa estiver apta à doar, é encaminhada para a coleta, que é de uma bolsa de sangue de aproximadamente 450 ml.

3 - Quantas vezes por ano uma pessoa pode doar sangue?

Os homens devem esperar 60 dias após uma doação para poder fazer uma nova triagem, o que dá quatro doações por ano. Para as mulheres, que demoram mais a repor o estoque de ferro no organismo, o intervalo é de 90 dias, três doações por ano.

4 - Como funciona o cadastro de doador de medula óssea?

Para ser um doador de medula óssea, a pessoa deve fazer o cadastro no Registro Nacional de Doadores Voluntários de Medula Óssea (REDOME), que é coordenado pelo Instituto Nacional de Câncer (INCA). Esse cadastro deve estar sempre atualizado. Qualquer pessoa com idade entre 18 e 55 anos pode ser um doador voluntário.

Tem pessoas que vão doar achando que a doação vai ser direcionada para alguém específico. Mas não é assim que funciona. O registro é nacional é ligado aos cadastros internacionais, ou seja, a busca por doadores é feita em todo o mundo.

Ao se cadastrar, a pessoa assina um termo de compromisso e é realizada a coleta de uma amostra de sangue de 5 ml, usada para a realização de testes, que vão identificar as características genéticas do doador. O procedimento só é feito uma vez.  As informações são armazenadas digitalmente e cruzadas com dados de pacientes que precisam de transplante.  Se o doador for compatível com algum paciente, ele é chamado para fazer a doação. Todas as despesas – deslocamento, hospedagem – são custeadas pelo Ministério da Saúde. O doador não tem custo com nada.

5 - O que é medula óssea?

Muitas vezes, as pessoas têm medo de doar porque confundem medula óssea com medula espinhal. A medula óssea é a fábrica do sangue que está nos ossos longos. É onde são produzidos os leucócitos, hemácias e as plaquetas. Já a medula espinhal, localizada na coluna vertebral, é formada por tecido nervoso e tem a função de transmitir impulsos nervosos do cérebro para o resto do corpo.

6 - Como é o procedimento de doação de medula óssea?

O procedimento pode ser feito de duas formas: pela coleta direta das células-mãe dentro da medula óssea no osso da bacia, que é realizada com uma agulha especial e com anestesia geral, ou, pela veia, com a máquina de aférese, que filtra as células-mãe no sangue.

7 - Quais as chances de compatibilidade?

Entre familiares, as chances de encontrar um doador compatível são de 25%.  Mas, em doadores sem parentesco, as chances são de uma em cada 100 mil pessoas. Por isso é importante o cadastro. Quanto mais pessoas cadastradas, maior a probabilidade de os pacientes encontrarem doadores compatíveis.

8 - Qual a quantidade estimada de doações de sangue e medula óssea em Petrolina?

Nós temos cerca de mil doações de sangue por mês. A de medula óssea é contabilizada por número de doadores, já que só é preciso fazer a triagem uma vez para ser cadastrado. Temos em torno de 200 a 300 doadores de medula cadastrados.

Sara Raquel Reis/Ascom Facape
Compartilhar no Google Plus

Postado por André Luiz

Entre em contato conosco através do e-mail: sobradinhonoticias@hotmail.com para envio de notícias, sugestões e outros assuntos.