Cadeias produtivas da agricultura familiar receberam R$ 127,6 milhões em investimentos


Fortalecer as principais cadeias produtivas da agricultura familiar da Bahia. Com este objetivo, o projeto Bahia Produtiva, executado pela Companhia de Desenvolvimento e Ação Regional (CAR), empresa pública vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Rural (SDR), já investiu, nos anos de 2015 e 2016, mais de R$ 127,6 milhões, beneficiando 13.284 agricultores familiares, através de editais.

Os editais lançados pelo projeto são de apoio às cadeias produtivas da bovinocultura de leite, apicultura e meliponicultura, caprinocultura e ovinocultura, aquicultura e pesca e subprojetos socioambientais. A celebração de diversos convênios com associações e cooperativas de pequenos produtores está acontecendo em todo o estado.

Para o primeiro semestre de 2017, o Bahia Produtiva planeja realizar a publicação de mais três editais de mandiocultura, oleaginosas e fruticultura. O investimento previsto será de R$39 milhões.

Presente nos 27 Territórios de Identidade do estado, o Bahia Produtiva é financiado pelo Banco Mundial e tem por objetivo apoiar projetos socioambientais, de abastecimento de água e esgotamento sanitário, de inclusão produtiva e acesso a mercados. O público prioritário são os agricultores familiares, assentados da reforma agrária, povos indígenas, quilombolas, pescadores, extrativistas, comunidades de fundo e fecho de pasto, organizados em cooperativas, associações e outras organizações.

O projeto vem fomentando a participação de mulheres, jovens, indígenas e quilombolas em seus editais. Dos primeiros cinco editais, 60% do total de beneficiários são mulheres.

De acordo com o coordenador do projeto Bahia Produtiva, os dois primeiros anos do Bahia Produtiva foram dedicados a montagem da equipe técnica, definição dos instrumentos de trabalho, contratação da Unidade de Gerenciamento do Projeto (UGP) e formulação e lançamento do 1º ciclo de editais. “Temos uma forma democrática de acesso, que é sempre através de editais. As associações e cooperativas acessam um sistema online, onde são pontuadas através do sistema de Barema. As entidades são ranqueadas e as melhores pontuadas são sorteadas”.

Ainda segundo Cabral, a metodologia do projeto é diferenciada. “Fizemos um acordo com o Banco Mundial de fazer uma avaliação de impacto. A realização desse tipo de avaliação é inédita na Bahia. Vamos fazer uma avaliação do público que receberá o investimento e daqueles que não receberão para confirmar que os investimentos do projeto foram impactante na renda das pessoas”.


Compartilhar no Google Plus

Postado por André Luiz

Entre em contato conosco através do e-mail: sobradinhonoticias@hotmail.com para envio de notícias, sugestões e outros assuntos.