Banco de Sementes Crioulas de Casa Nova é referência em Simpósio sobre a Caatinga


Pesquisadores, estudantes e agricultores familiares relacionados à vida na Caatinga participam, até esta sexta-feira (03), do II Simpósio do Bioma Caatinga - SIBIC, que acontece nos campus da Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf), em Petrolina (PE) e em Juazeiro (BA). O evento busca promover o intercâmbio de informações e fomentar a articulação de diferentes atores, de variadas áreas do conhecimento, para debater e compreender melhor a dinâmica dos processos ecológicos da Caatinga e discutir o uso e manejo adequados dos recursos naturais, de forma que possam minimizar e reverter a degradação do bioma e aproveitar o seu potencial.

O simpósio, que ocorre juntamente com o VI Workshop de Sementes e Mudas  da Caatinga, é uma promoção da  Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa Semiárido), em parceria com a  Universidade do Estado da Bahia (Uneb), Univasf, com o apoio de diversas organizações públicas e da sociedade civil organizada. 

Os participantes e visitantes do simpósio dispõem de uma diversidade de experiências, em exposição no Complexo Multieventos da Universidade, em Juazeiro. Entre elas, a do jovem Ricardo Silva Santos, da comunidade de Lagoinha, interior de Casa Nova (BA), que expõe o Banco de Sementes Crioulas de sua comunidade. A iniciativa conta com o apoio do Pró-Semiárido, projeto executado pela Companhia de Desenvolvimento e Ação Regional (CAR), empresa pública vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Rural do Estado da Bahia (SDR), contando com recursos do Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA).

Ricardo, que é Agente Comunitário Rural (ACR), relata a importância dessa prática para o modo de produção das famílias que cultivam e armazenam esse tipo de semente. Ele ressalta que o hábito de cultivar e armazenar esse tipo de sementes nativas ou crioulas, como também são chamadas, sempre fez parte da tradição das famílias agricultoras da localidade. Segundo o jovem, a ideia de se construir um Banco Comunitário surgiu em 2014, com o incentivo do Instituto Regional da Pequena Agropecuária Apropriada (Irpaa).  Depois, o Serviço de Apoio às Organizações Populares (Sasop), trouxe para o banco outras variedades de sementes que ainda não tinham no local, iniciativas estas que serviram de incentivo para famílias de Lagoinha.

Referência

A experiência do Banco de Sementes Crioulas de Lagoinha vem sendo apresentada em encontros, intercâmbios de experiências e outros eventos que debatem a proposta de Convivência com o Semiárido e as formas de vida na Caatinga, conforme explicou Liziane Castro, técnica do Pró-Semiárido no Serviço de Apoio Territorial a Agricultura Familiar (SETAF) de Juazeiro.

Liziane destaca que o objetivo é potencializar o Banco de Sementes na perspectiva de dar visibilidade à iniciativa, para que sirva de exemplo paras outros jovens rurais. De acordo com a técnica, a inteção do Pró-Semiárido é que o projeto de Ricardo se torne referência e possa  motivar outros jovens a ajudarem suas comunidades a preservarem as sementes crioulas, considerando que isso também é uma estratégia de convivência com o bioma Caatinga.

A experiência de Lagoinha está no centro das discussões do simpósio, que procura também chamar a atenção para o desaparecimento de espécies vegetais antes presentes na Caatinga e que estão sendo substituídas por sementes geneticamente modificadas, fazendo com que os povos da Caatinga percam sua autonomia na prática da agricultura tradicional.




Agência Chocalho

Compartilhar no Google Plus

Postado por George Silva

Entre em contato conosco através do e-mail: sobradinhonoticias@hotmail.com para envio de notícias, sugestões e outros assuntos.